Páginas

Mostrando postagens com marcador amor. Mostrar todas as postagens
Mostrando postagens com marcador amor. Mostrar todas as postagens

12 de dez de 2015

Um ano de leitura

Google Imagens

Foi no ano passado, enquanto eu estava olhando fixamente na estante à procura de um livro para ler, que mirei em um que me despertou um interesse que jamais imaginei que pudesse ter com relação à algum livro. Nunca havia lido antes por prazer e nem conseguiria imaginar como isso poderia ser uma atividade aprazível. Só lia por obrigação, para os trabalhos da escola. 

Enquanto lia, minhas emoções por estar lendo um livro tão bom e a culpa que comecei a sentir por não ter feito isso milhares de vezes antes, se misturavam e me faziam sentir ao mesmo tempo feliz e completamente irritada. Eu ficava com isso na cabeça: "Caramba, por que ninguém me incentivou a ler?", "Por que nunca havia recebido livros antes?", "Por que só comecei tão tarde?". E mais ódio. Ódio, principalmente de mim mesma. Na escola, uma biblioteca com um acervo enorme à minha disposição, mas quase nada de interesse. Talvez o ambiente escolar não fosse assim tão motivador para uma leitora iniciante, porque eu sempre associava a biblioteca à obrigações escolares. Não sei, só sei que demorei demais para tomar alguma atitude e isso me prejudicava de maneiras sutis que só agora eu consigo perceber.

Se você estiver se perguntando, o livro que estava lendo nesse dia que me abriu os olhos e o coração para a literatura, é o romance do escritor afegão Khaled Hosseini, O caçador de pipas. A partir desse dia, confesso que eu não conseguia mais ficar sem ler. E eu queria - e quero - ler o tanto de livros quanto fosse possível para compensar o prejuízo de vários anos. A corrida para a compra de livros tinha iniciado por aí. Eu procurava no Zoom por preços baixos e comprava sempre que aparecia algum que me despertava interesse. Isso foi exatamente no mês de dezembro do ano passado, época que começam as promoções e tudo mais. Mas eu não comprava sozinha. Duas de minhas tias, Raquel e  Neia, também me ajudaram muito, comprando livros e boxes maravilhosos para mim.

Hoje eu posso dizer que a minha vida mudou. É tão perceptível isso que eu chego a estremecer só de pensar em como seria a minha vida caso eu não tivesse olhado para a estante naquele dia. Eu dei o primeiro passo e acho que foi uma das coisas mais incríveis que já fiz. 

Obrigada à todos. À todos os escritores, por terem mudado a minha vida. À todas as pessoas que me presentearam com livros, sendo eles novos ou usados. Eu hoje só tenho a agradecer pelo universo maravilhoso que me foi apresentado quando eu peguei aquele primeiro livro, sem compromissos, sem nada.
E agora eu  digo:

Google Imagens


31 de jul de 2015

Vida, perdas, sofrimento e amor

SobreVIVENDO


Hoje, há pouco menos de uma hora, senti o mundo natural e belo e incrivelmente monótono desabar sobre os meus pés. Uma sensação de que uma parte significativa de mim, senão o todo, havia desaparecido de forma repentina para todo o sempre. E eu me peguei absorta em inúmeros pensamentos. Eles eram terrivelmente assustadores, de se tirar o fôlego e o ânimo de viver. De se tirar a vida e desejar estar morto, porque estar morto é mais fácil do que continuar vivo. Quando se está vivo, qualquer ser humano enfrenta perdas inevitáveis. Porque a perda é parte natural da vida. E entende-se por parte natural da vida saber aceitar as perdas e continuar vivendo. Por que não é isso que todo mundo faz ou pelo menos tenta?
Mas quando a ideia de se estar perdendo algo surge, rompendo com o mundo natural que conhecemos e trazendo à tona uma realidade amarga, áspera e dura, o que desejamos é desistir. Desistir da nossa vida individual. Porque sabemos que aquilo que utilizávamos de âncora para continuarmos vivos já não existe mais. E sem a âncora, a alma flutua, perde o firmamento e os objetivos, se vê sem rumo e dolorosamente só. A âncora tem que existir para que a alma fique e continue lutando.
A sensação de perda é horrível. É algo que humanos feitos de pele e osso não conseguem suportar a princípio, e nem deveriam, por ser um sentimento mais forte do que qualquer corajoso que se diz imbatível. É um sentimento que abate, pisoteia, nocauteia e, por fim, destrói. E nos deixa tão revoltados e machucados, que mal conseguimos nos manter em pé. A gente desaba mesmo, no chão frio, em posição fetal, as lágrimas rolando pelo rosto. 
A gente chora convulsivamente.


O chão vira a nossa cama, os gritos estridentes de derrota, o nosso côro. Não há nada nem ninguém que seja capaz de nos trazer um pouco de paz, de conforto.
Os dias que se sucedem a perda são horríveis, mas não piores do que o momento da perda em si. As lutas são diárias. Ainda há estilhaços espalhados pelo chão, mas agora é impossível se reconstituir, voltar a ser o que era antes, porque os pedaços esparramados não podem mais se juntar. A gente fica diferente, o coração aperta. Mas aí o tempo passa, velhas memórias são substituídas por outras, vão se perdendo, tornando-se distantes. E o sentimento que tivéramos no momento da perda já não é mais o mesmo. Está mais suavizado, menos doloroso. E a verdade simples e pura é que o tempo não cura, como o senso comum comenta por aí; o tempo distorce ,imparcializa a memória, e com isso, atenua o sofrimento. Isso não quer dizer que o sofrimento some. Ele fica, em um lugar sempre disponível e de fácil acesso. Mas sofrimento devastador mesmo é aquele que causa remorso, que nos tira o ar e que nos pede que voltemos no tempo e façamos tudo diferente. Pra que ele nunca venha acometer-vos, meus caros, a receita é complicada e os ingredientes devem ser administrados diariamente. Eis o segredo: uma dose generosa de amor. Amor à pessoas que de fato amamos, principalmente, e àqueles que nem mesmo conhecemos. Além disso, é fundamental que demostremos. Seja com um beijo, um abraço apertado, pronunciando as três mais belas palavrinhas ou até mesmo com atos singelos. É importante, também, ficar colado à pessoa amada e lembrá-la sempre do quanto você a ama.
O segredo é amar e demonstrar.

 Mapa Literário