Páginas

12 de dez de 2015

Um ano de leitura

Google Imagens

Foi no ano passado, enquanto eu estava olhando fixamente na estante à procura de um livro para ler, que mirei em um que me despertou um interesse que jamais imaginei que pudesse ter com relação à algum livro. Nunca havia lido antes por prazer e nem conseguiria imaginar como isso poderia ser uma atividade aprazível. Só lia por obrigação, para os trabalhos da escola. 

Enquanto lia, minhas emoções por estar lendo um livro tão bom e a culpa que comecei a sentir por não ter feito isso milhares de vezes antes, se misturavam e me faziam sentir ao mesmo tempo feliz e completamente irritada. Eu ficava com isso na cabeça: "Caramba, por que ninguém me incentivou a ler?", "Por que nunca havia recebido livros antes?", "Por que só comecei tão tarde?". E mais ódio. Ódio, principalmente de mim mesma. Na escola, uma biblioteca com um acervo enorme à minha disposição, mas quase nada de interesse. Talvez o ambiente escolar não fosse assim tão motivador para uma leitora iniciante, porque eu sempre associava a biblioteca à obrigações escolares. Não sei, só sei que demorei demais para tomar alguma atitude e isso me prejudicava de maneiras sutis que só agora eu consigo perceber.

Se você estiver se perguntando, o livro que estava lendo nesse dia que me abriu os olhos e o coração para a literatura, é o romance do escritor afegão Khaled Hosseini, O caçador de pipas. A partir desse dia, confesso que eu não conseguia mais ficar sem ler. E eu queria - e quero - ler o tanto de livros quanto fosse possível para compensar o prejuízo de vários anos. A corrida para a compra de livros tinha iniciado por aí. Eu procurava no Zoom por preços baixos e comprava sempre que aparecia algum que me despertava interesse. Isso foi exatamente no mês de dezembro do ano passado, época que começam as promoções e tudo mais. Mas eu não comprava sozinha. Duas de minhas tias, Raquel e  Neia, também me ajudaram muito, comprando livros e boxes maravilhosos para mim.

Hoje eu posso dizer que a minha vida mudou. É tão perceptível isso que eu chego a estremecer só de pensar em como seria a minha vida caso eu não tivesse olhado para a estante naquele dia. Eu dei o primeiro passo e acho que foi uma das coisas mais incríveis que já fiz. 

Obrigada à todos. À todos os escritores, por terem mudado a minha vida. À todas as pessoas que me presentearam com livros, sendo eles novos ou usados. Eu hoje só tenho a agradecer pelo universo maravilhoso que me foi apresentado quando eu peguei aquele primeiro livro, sem compromissos, sem nada.
E agora eu  digo:

Google Imagens


Nenhum comentário:

Postar um comentário

 Mapa Literário