26 de jun de 2017

ABISMO


Essa é a última vez que escrevo sobre você
A última vez que meus olhares tentam encontrar os seus
que a minha mão tenta encontrar a sua, e entrelaçar seus dedos aos meus.

É a última vez porque, enquanto quis me entregar inteiramente,
você não cedeu, não se deu.
Enquanto eu imaginei um "nós" na nossa realidade base,
você desprezou todas as possibilidades, inclusive a que representava a nossa união.

E eu quero falar do mundo quântico, porque sei que nele as possibilidades são infinitas
e que em algum lugar, num universo paralelo, talvez com regras totalmente diferentes das da nossa realidade base,
exista um você que olha nos meus grandes olhos castanhos e diz que a minha presença é essencial,
que o meu toque é afável e o meu jeito é de extremo afeto, adorável.
Um lugar onde eu sou sua casa e eu tenho a certeza de que seus braços fazem minha morada.

Eu sei que você não me quer,
porém quanto mais você me rejeita
mais o meu desejo aumenta.
Eu gosto de sofrer?

Só que é a última vez, eu juro,
que me pego pensando em você,
seu jeito carismático, sorridente
e engraçado


Mas enquanto eu imagino a infinidade de possibilidades,
a infinidade de universos em que eu e você é uma união possível,
me volto para a realidade base - a única de que tenho consciência
e vejo que não há um nós
e talvez nunca haverá.

Acabou, acabou
Como pode acabar algo que nem mesmo começou?
Começou dentro de mim há algum tempo, na verdade
mas dentro de você nunca houve nada.

E em outra realidade alternativa, como deve ser?
Eu e você é o fim de uma estrada que dá para o abismo,
não há bifurcações, não há galhos representando as possibilidades, como a árvore da vida darwiniana.
Se eu fosse representar um nós, seria o Cretáceo
Porque nunca houve um "nós" na realidade base,
nós somos a extinção!

Mas eu não vou me abater, porque sei que a vida é o caos,
e que as possibilidades só existem para quem não fica imóvel.
E eu não ficarei, porque sei, no fundo do meu coração,
que outras pessoas vão me apresentar outros acasos
e a árvore da vida vai estender seus galhos para mim,
as estradas terão bifurcações
e eu não cairei no abismo.

Eu sei que não existimos na única realidade de que temos consciência,
mas e no mundo subatômico, como seria?
Um "nós" existiria?
Você disse que não queria me machucar,
mas ao não querer e a não arriscar,
você me feriu
E doeu e eu sangrei e sangrei
Em breve você se tornará uma memória distante,
fumaça que se dissipa pra longe, no ar
A luz viajante de uma estrela morta que nunca alcançará minha atmosfera.
Mas vai demorar?

Você é uma granada
que me partiu em mil pedaços.
E eu estou juntando meus cacos
Estou juntando
Estou

Acabou
Acabou


4 comentários:

  1. G O S T E I...
    Parabens Thaynara, ganhou um novo seguidor. Continue assim!

    ResponderExcluir
  2. Fico em demasiado êxtase em saber que você gostou. Obrigada!

    ResponderExcluir
  3. O texto ficou bom. O único defeito que eu achei foi uma vasta repetição da palavra "realidade". Também, na minha opinião, "realidade base" soa um pouco estranho.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir

 Mapa Literário