Páginas

2 de out de 2017

Você - Parte II

Quando te olho nos olhos,
eu vejo amor.
Minha boca anseia poesia,
dos meus dedos saem uma paleta
com a qual eu pinto uma estrela amarela.

Os meus olhos encontram os seus
 e eu vejo afeto e doçura.
Do teu corpo saem pequenos feixes de luz
que iluminam toda a escuridão do meu ser e me fazem olhar para o céu.
Você é um céu estrelado
magnífico, infinito.

Mas a vastidão me assusta,
porque você é também uma estrela amarela.
E deixe-me dizer, querido, estrelas amarelas
se tornam gigantes vermelhas para depois engolirem planetas inteiros.
Você é o Sol e eu sou Mercúrio
e prevejo você me destruindo.

2 comentários:

  1. É do vazio em nós mesmos o ser amado um putativo inverso retrato.
    GK

    ResponderExcluir
  2. Olá, Gugu. Obrigada pelo seu comentário. Mas a pergunta: o que você quis dizer? Poderia ser, por gentileza, um pouco mais claro? Obrigada.

    ResponderExcluir

 Mapa Literário